[Tá Tudo Dominado] – MONTEVIDÉU por quem mora lá

No post de hoje da série “Tá Tudo Dominado”, continuamos conhecendo brasileiros que estão espalhados pelo mundo e daremos um pulinho até o nosso país vizinho Uruguai –  mais precisamente até Montevidéu!

A nossa convidada de hoje é a Larissa Brainer – uma pernambucana que trocou o calor e as águas quentinhas do Recife, em Pernambuco para a cosmopolita capital uruguaia.

A Larissa nos conta abaixo um pouquinho sobre sua vida em Montevidéu e compartilha dicas muito interessantes para quem pretende visitar a cidade!

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Larissa Brainer

Oi Larissa! Pra gente começar, nos conte um pouquinho sobre você! De que parte do Brasil você é? Qual sua formação/profissão?

Eu sou do Recife, em Pernambuco.

Me formei jornalista e atualmente trabalho como Coordenadora de Comunicação da ONG love.fútbol.


Houve algum motivo específico em mente ao decidir sair do país e se mudar para Montevidéu?

Há anos eu tinha o desejo de ter a experiência de viver em outra cidade, outro país. Há cerca de dois anos, a vontade se tornou um plano mais concreto, construído em conjunto com Breno.

O Uruguai era uma das opções que tínhamos em mente, por duas razões: a primeira, oferecia a possibilidade de aprender um novo idioma de forma imersiva, na prática. Aprender espanhol também era um desejo antigo meu; a segunda, é que Breno havia visitado o país um tempo antes e tinha se apaixonado por Montevidéu.

Enquanto articulávamos as possibilidades, ele foi aprovado em uma pós-graduação numa universidade uruguaia e foi o ingrediente que faltava para o plano sair do papel.


Há quanto tempo você está morando em Montevidéu e como foi a sua adaptação no país?

Cheguei em Montevidéu há exatamente um ano.

A fase inicial foi desafiadora pelo clima muito frio, que eu nunca tinha experimentado. Recife tem um clima constante e quente sempre. O Uruguai tem quatro estações bem definidas e um inverno de verdade. Foi exatamente quando cheguei: saí dos 26-29 graus para 5-9 graus, em 12 horas. Tive que aprender a estar abrigada o suficiente e não deixar que o frio atrapalhasse minha rotina.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: O frio uruguaio

❄❄❄ Frio ❄❄❄

O segundo foi o idioma. Meu espanhol mais complexo era limitado à leitura, com pouca prática de fala e escuta, então conversar era um esforço hercúleo. No começo, ficava calada ouvindo muito, para entender o tom, o sotaque, o vocabulário, a pronúncia. Eu costumo falar muito, não sou calada, então, às vezes, era um pouco angustiante não estar apta a transmitir o que eu tinha na minha mente. Com o tempo e prática, o ouvido se acostumou, o vocabulário foi ampliando e quando eu vi, estava falando, pensando e até sonhando no idioma.


O que mais te surpreendeu com Montevidéu logo que você chegou?

O primeiro impacto foi o clima. Depois, a disposição de estar na rua das pessoas. Há sempre gente na rua. Mesmo no inverno. Tomando mate na orla, nas praças e nos parques, andando de bicicleta.


Qual foi a maior diferença cultural que você encontrou?

A culinária. Em Pernambuco, há uma multiplicidade de pratos, sabores e texturas. Comidas de vários tipos, para vários gostos, todas típicas brasileiras.

O leque no Uruguai é mais restrito. Tortas salgadas, massas, o famoso chivito (um sanduíche) e, claro, muito “asado”, o churrasco.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Feira de Rua

Feira de rua


As expectativas que você tinha antes de se mudar foram de encontro com a realidade que você encontrou?

Não tinha muitas expectativas, exceto viver uma vida mais tranquila, sem muito trânsito, preocupação com violência, rotina estressante. E a realidade contempla isso.


Com que palavra ou expressão você definiria Montevidéu?

Tranq. Uma gíria para tranquilo, aqui.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: O símbolo uruguaio


Como você caracterizaria as pessoas da sua região? Existe algum perfil típico como personalidade, idade, nível educacional ou algo diferente que você tenha notado?

Eu vivo no centro de Montevidéu, então, é um lugar com perfis dos mais variados.

Jovens, idosos, famílias. Pessoas de negócio, estudantes, artistas… Me parece bem misturado.


Como você terminaria a frase: “Você não pode sair de Montevidéu sem…”?

Ver um pôr-do-sol na rambla (orla).

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Pôr do Sol Uruguaio


Se você fosse indicar um roteiro de 2 ou 3 dias, na sua opinião, quais seriam aquelas atrações “obrigatórias” para se ver ou fazer na sua região?

Uma boa caminhada na Ciudad Vieja, com almoço em algum restaurante da zona – o Mercado del Puerto é o clássico – com parada para uma merienda no Café Brasilero (assim sem i, mesmo; e não é do Brasil!), e uma visita à Librería Puro Verso.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Café Brasilero

Café Brasilero, o mais antigo café de Montevidéu.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: O interior da Librería Puro Verso

Librería Puro Verso, na famosa rua Peatonal Sarandí

Pôr-do-sol na Escollera Sarandí, um ponto extremo da rambla, de onde se pode ver os navios saindo e chegando no porto e a linha do horizonte da cidade.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Escollera Sarandi

Escollera Sarandi

Uma pedalada pela rambla até onde as pernas aguentarem, passando pelo Parque Rodó até Pocitos, Punta Carretas…

Um pulo no Castillo Pittamiglio, um espaço cheio de simbolismos da alquimia, com um tour todo misterioso.

Uma parada na choperia Mastra, no Mercado Agrícola, para provar chopps artesanais uruguaios. No Mercado Agrícola onde também dá para comprar lembrancinhas, doce de leite e vinhos legais.

Um passeio no pequenino Jardín Japonés e no Museo de Blanes – um ao lado do outro.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Jardín Japonés de Montevidéu

Jardín Japonés de Montevidéu

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Museo de Bellas Artes Juan Manuel Blanes

Museo de Bellas Artes Juan Manuel Blanes


Você deve conhecer alguma dica “de um local” para se poupar dinheiro por aí, né? Pode compartilhar algo com a gente?

Usar cartão de crédito para restaurantes é uma boa. O desconto do IVA é quase 20% para pagamentos no cartão, superando o IOF do cartão. O que dá uma boa economia.


Existe alguma especialidade gastronômica que um visitante deve provar sem falta: um petisco, um prato típico ou talvez algo que possa até parecer um tanto “estranho” para nós brasileiros?

Chivito (um sanduíche tipo X-tudo); Revuelto Gramajo – um prato com batatas fritas.

Boniato (um tipo de batata-doce laranja) assado.

Também vale provar os panchos e choripans dos vários carritos de rua espalhados pela cidade.

E pra quem gosta de sabores ousados, a linguiça preta – Morcilla.


Você teria alguma sugestão bacana pra quem gosta de sair à noite?

Na Ciudad Vieja, meu lugar preferido é o Fênix. Dá para ir lá, abrir a noite com um Fernet (drink bem popular na noite montevideana), comer uma pizza ou umas fritas (são bem boas); e seguir para o Bluzz Bar, onde a pista de dança começa a bombar lá pelas 2h30.

A noite em Montevidéu costuma começar tarde. Antes de meia-noite ainda é cedo.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Fênix

Fênix


Se você tivesse que escolher uma café e um museu, qual seriam?

Café Brasilero, Museo de Blanes.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Fachada do Café Brasilero


É fácil se locomover pela cidade a pé ou por transporte público?

Ambos. Com um aplicativo chamado Moovit dá para saber que ônibus pegar e onde.

E a pé, com disposição para longas distâncias, tipo 6 a 8 quilômetros, dá para conhecer muita coisa.


Com relação à hospedagem, qual área você aconselharia alguém a procurar por opções boas de um lugar bem localizado, seguro e que tenha um acesso fácil ao transporte público?

Centro. Nas regiões no entorno da Ciudad Vieja – dentro da ciudadela não tem muitas opções de transporte público -, ou da avenida 18 de Julio.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Portal de la Ciudad Vieja e Plaza Constitución, na Ciudad Vieja

Portal de la Ciudad Vieja & Plaza Constitución

Palermo e Parque Rodó são bairros legais também, mais residenciais do que comerciais, mas com algumas opções para sair e ônibus também.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Bairro Palermo

Palermo


Hora das compras! Você tem alguma boa sugestão para quem quer gastar uns pesos?

Para compras de lembrancinhas e até antiguidades, a Feria de Tristán y Narvaja.

Também dá para comprar coisinhas miúdas no Mercado de los Artesanos.

Se for roupas, etc, percorrendo a Avenida 18 de Julio há várias lojas de muitos tipos. Grandes multimarcas a lojinhas pequenas.


Existe algum Item típico local que você sugeriria pra se trazer como lembrança da viagem?

Uma cuia de mate, as palomitas (pombinhas) de cerâmica ou outras pequenas esculturas em pedra que vendem no Mercado dos Artesanos.


Antes de terminarmos, qual é o “maior segredo” de Montevidéu? Pode ser uma lojinha, um parque, um café, uma galeria, um barzinho… Algo que seja bem “a sua cara”!

Libreria Escaramuza: uma livraria linda, com um café / bistrô no Parque Rodó. Além das lindas estantes, tem um quintal lindo, super agradável na primavera. Lá comi uma das media lunas mais gostosas de Montevidéu. Além disso, tem cervejas artesanais, um bom café e boas opções de merienda e almoço.

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Librería Escaramuza

Muito obrigada pela sua colaboração, Larissa!  ♥ 

Não sei nem mensurar o tanto que fiquei com vontade de voltar para Montevidéu! 

Todas as fotografias da Larissa realmente transmitem um olhar encantador por esta cidade que ao mesmo tempo em que é tranquila, é também tão multicultural!

MONTEVIDÉU por quem mora lá

Acompanhe você também o olhar e as legendas inspiradoras da Larissa em Montevidéu através do perfil do instagram: @MER.GU.LHE

MONTEVIDÉU por quem mora lá: Plaza Constitución

Plaza Constitución

Fonte das imagens: Instagram @mer.gu.lhe e @larissabrainer

ReadLeia os outros posts da série “Tá Tudo Dominado” clicando aqui!

2 comentários sobre “[Tá Tudo Dominado] – MONTEVIDÉU por quem mora lá

  1. crishossu disse:

    Amei conhecer um pouco de Montevideo, muitas dicas bacanas.
    Passei algumas vezes pela cidade quando seguia para Punta del Este mas nunca cheguei a pernoitar. Confesso que agora fiquei com muita vontade de ficar uns dias e conhecer melhor essa cidade tão incrível.
    Bjs e parabéns!!!

    • vivajando disse:

      Oi Cris! Nem me fala! Eu também morri de vontade de conhecer um pouco mais de Montevidéu depois das dicas da Larissa! Eu só conheci rapidamente em uma parada de cruzeiro, o que é muito pouco pro tanto que a cidade tem a oferecer!
      Fico feliz que tenhas tido o mesmo sentimento que o meu! 🙂
      Um grande beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *